O TDAH (Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade) é um transtorno do neurodesenvolvimento e é um dos transtornos mentais mais comuns entre crianças, podendo acompanhar o indivíduo por toda a sua vida, resultando em prejuízos no funcionamento social, acadêmico e profissional. Possui forte influência de fatores genéticos e é definido por níveis prejudicias de desatenção, desorganização e/ou hiperatividade-impulsividade. A prevalência do TDAH na população mundial gira em torno de 5%, acometendo 1 a cada 20 crianças/adolescentes.

—-

Sintomas de TDAH

Os primeiros sintomas frequentemente surgem na idade pré-escolar (dos 3 anos aos 6 anos de idade) e se caracterizam por inquietude significativa, muitas vezes resultando em acidentes ou afetando as relações com amigos ou familiares, dificuldade importante de aguardar a vez, capacidade de manter o foco de atenção e distratibilidade.

Principais sintomas de desatenção e hiperatividade-impulsividade:

  • Frequentemente não prestar atenção em detalhes ou cometer erros por descuido em tarefas escolares, no trabalho ou durante outras atividades
  • Frequentemente parecer não escutar quando alguém lhe dirige a palavra diretamente
  • Frequentemente ter dificuldade para organizar as tarefas e atividades.
  • Frequentemente perder coisas necessárias para tarefas ou atividades.
  • Ser facilmente distraído por estímulos externos.
  • Frequentemente remexer ou batucar as mãos ou os pés ou se contorcer na cadeira.
  • Frequentemente levantar da cadeira em situações em que se espera que permaneça sentado
  • Frequentemente correr ou subir nas coisas em situações em que isso é inapropriado.
  • Frequentemente “não para”, agindo como se estivesse “com o motor ligado”

Prejuízos do TDAH

Muitos estudos já mostraram que o TDAH leva a muitos prejuízos, como dificuldades no aprendizado, problemas nas relações familiares e sociais, abuso e dependência de substâncias, outros transtornos psiquiátricos, como depressão e ansiedade, acidentes, entre outros negativos.

Estudos recentes mostraram uma maior taxa de mortalidade em indivíduos com TDAH, causados principalmente por mortes de causas não naturais, especialmente acidentes.

No entanto, sabemos que tratamentos oferecidos precocemente podem diminuir os prejuízos deste transtorno. Nossa pesquisa tem o objetivo de descobrir qual o melhor tratamento para crianças pré-escolares com TDAH.

Referências

BIEDERMAN, Joseph. FARAONE, Stephen V.; CHEN, WEI J. Social Adjustment Inventory for Children and Adolescents: Concurrent Validity in ADHD Children. Journal of the American Academy of Child & Adolescent Psychiatry. v. 32, p. 889-1105, Setembro 1993.

POLANCZYK, Guilherme. LIMA, Maurício Silva de. HORTA, Bernardo Lessa. BIEDERMAN, Joseph. ROHDE,  Luis Augusto.  The Worldwide Prevalence of ADHD: A Systematic Review and Metaregression Analysis. The American Journal of Psychiatry. v. 64, p. 942-948, Junho 2007

ELIA, Josephine. DEVOTO, Marcella. ADHD Genetics: 2007 Update. Current Psychiatry Reports. v. 9, p. 434-439, 2007

SPRICH, Susan. BIEDERMAN, Joseph. CRAWFORD, Margaret. MUNDY, Elizabeth. FARAONE, Stephen. Adoptive and Biological Families of Children and Adolescents With ADHD. The American Journal of Psychiatry. v. 39, p. 1432-1437, Novembro 2000

DALSGAARD, Søren.  ØSTERGAARD, Søren. LECKMAN, James. MORTENSEN, Preben. PERDERSEN, Marianne.  Mortality in children, adolescents, and adults with attention deficit hyperactivity disorder: a nationwide cohort study. The Lancet. v. 385, p. 2190-96, Fevereiro 2015

DALSGAARD, Søren. MORTENSEN, Preben. FRYDENBERG, Morten. THOMSEN, Per Hove.  ADHD, stimulant treatment in childhood and subsequent substance abuse in adulthood  A naturalistic long-term follow-up study.  Addictive Behaviors. v. 39, p. 325328,  2014

ROHDE, Luis Augusto. BARBOSA, Genário. TRAMONTINA, Silzá. POLANCZYK, Guilherme. Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade. Revista Brasileira de Psiquiatria. v. 22, p. 7-11, 2000

SCHIMITZ, Marcelo. POLANCZYK, Guilherme. ROHDE, Luis Augusto. TDAH: remissão na adolescência e preditores de persistência em adultos. Jornal Brasileiro de Psiquiatria. v 56, p. 25-29, 2007

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Diagnostic and Statistical Manual of Mental disorders – DSM-5. 5th.ed. Washington: American Psychiatric Association, 2013.

LEE, Li-Ching. HARRINGTON, Rebecca. JEN JEN, Chang. CONNORS, Susan. Increased risk of injury in children with developmental disabilities. Research in Developmental Disabilities. v. 29, p.247-255, Maio 2007

SWANSON, James. VOLKOW, Nora. NEWCORN, Jeffrey. CASEY, BJ. MOYZIS, Robert. GRANDY, David. POSNER, Michael. Attention Deficit Hyperactivity Disorder. Encyclopedia of Cognitive Science. 1. ed. Estados Unidos da América: SIBi, 2007