Investir na diminuição das desigualdades socioeconômicas e prevenção de eventos violentos durante a infância pode melhorar a saúde mental de jovens de baixa renda, de acordo com um estudo conduzido por pesquisadores da  Columbia University’s Mailman School of Public Health e da UNIFESP.

Os resultados mostraram que, ter passado por qualquer evento traumático e dispor de baixas condições socioeconômicas estavam associados com possuir algum transtorno internalizante como depressão e ansiedade, e um trastorno externalizante incluindo TDAH. Os resultados foram publicados na Revista Brasileira de Psiquiatria.

O estudo foi conduzido em dois bairros da cidade de São Paulo, o bairro Vila Mariana, que possui baixa exposição à violência urbana e alto índice de Desenvolvimento Humano (IDH), e o bairro Capão Redondo, com maior exposição à violência urbana e menor IDH. Ao todo, 180 participantes estudantes de escolas públicas com idade de 12 anos e seus cuidadores foram entrevistados para determinar a influência de eventos violentos do passado e de condições socioeconômicas na prevalência de transtornos psiquiátricos.
Com o uso de entrevistas estruturadas, a equipe de pesquisa liderada por Dra. Silvia Martins, professora associada do Departamento de Epidemiologia da Columbia University (veja seu Lattes aqui), avaliou transtornos psiquiátricos internalizantes (depressão, ansiedade e transtorno do stress pós-traumático) e transtornos externalizantes (transtorno do déficit de atenção e hiperatividade, transtorno de conduta, e transtorno opositivo desafiador).
Cerca de um quarto (22%) dos jovens possuiam algum transtorno psiquiátrico. Os diagnósticos mais comuns eram depressão (9.5%) e transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) (9%), seguidos por transtorno de ansiedade (6%).
Um total de 14% da amostra possuia algum transtorno internalizante, e 15.5% possuia algum transtorno externalizante. Por volta de 60% dos adolescentes com algum diagnóstico havia passado por ao menos um evento de violência ao longo de sua vida.
Em uma entrevista publicada no site Science Daily Dra. Silvia diz: “Se o Brasil investir mais para atacar as desigualdades socioeconômicas assim como previnir exposição à violência urbana na infância e adolescencia, provavelmente o país será capaz de previnir o desenvolvimento de diversos casos de transtornos psiquiátricos na adolescência”

Fontes:

Columbia University’s Mailman School of Public Health. “Exposure to childhood violence linked to psychiatric disorders.” ScienceDaily. ScienceDaily, 8 March 2018. <www.sciencedaily.com/releases/2018/03/180308120557.htm>.
Thiago M. Fidalgo, Zila M. Sanchez, Sheila C. Caetano, Solange Andreoni, Adriana Sanudo, Qixuan Chen, Sílvia S. Martins. Exposure to violence: associations with psychiatric disorders in Brazilian youthRevista Brasileira de Psiquiatria, 2018; (0) DOI: 10.1590/1516-4446-2016-2122
Texto original: Science Daily
Traduzido e adaptado por Leonardo Seda
Categorias: Artigo

Leonardo Seda

Estudante do 9º semestre de Psicologia no Centro Universitário São Camilo. Coordenador da equipe de graduandos no Estudo MAPPA. Aluno de iniciação científica do Prof. Dr. Guilherme Vanoni Polanczyk. Músico e piloto amador de kart nas horas vagas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *